-Publicidade -spot_img

Ministério Público denuncia 4 policiais penais que espancaram detentos na Penitenciária da Papuda, no DF

Data:

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) denunciou quatro policiais penais por agredir detentos no Complexo da Penitenciário da Papuda, em abril deste ano. Para os promotores, foram cometidos os crimes de lesão corporal e violência arbitrária – quando o agente público usa da função para praticar violência.

Na ação, gravada por câmeras de segurança em abril, os policiais penais cercaram um detento, deram golpes de cassetete, chutes e pisões, enquanto um outro preso foi mantido próximo, virado para a parede.

Os policiais penais envolvidos são:

  • Paulo Roberto Bravo Junior
  • Adão Manoel do Nascimento
  • Silvio Nogueira da Silva Filho
  • Helton José Meirelles Junior

No processo, os policiais alegaram que não houve agressão. Os servidores também dizem que nenhum preso reclamou oficialmente do ocorrido. A reportagem tenta localizar a defesa dos denunciados.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária disse que só vai se manifestar sobre o caso depois que o processo judicial for finalizado. A pasta afirma ainda que, até lá, “todos os envolvidos são considerados inocentes e vão continuar exercendo suas atividades, observando as determinações da Justiça”.

Presos enforcados

No dia 16 de abril, policiais penais tentaram resolver uma briga entre dois detentos dentro de uma das celas da Penitenciária do Distrito Federal (PDF) 1. Um dos policiais atirou com bala de borracha pela fresta de ventilação da cela. No momento, havia 23 presos no local.

Pouco tempo depois, cerca de 10 policiais imobilizaram um dos detentos, que foi retirado da cela. Imagens mostram o preso sendo enforcado e jogado no chão.

No entanto, segundo a Justiça, a versão apresentada pelos agentes não corresponde ao revelado nas gravações. Diante disso, o MPDFT quer que os quatro policiais penais flagrados no episódio sejam condenados, por não cumprirem o papel do Estado, de garantir a segurança dos detentos.

Fonte: G1.